Tudo que vem de você me reduz a pó.

Eu tô enlouquecendo e não aguento mais repetir isso.

Tudo que dia respeito de uma outra vida me enfraquece.

Eu tenho inveja dos que provocaram a morte e venceram.

Do beijo amargo, da barca e  do incenso.

Eu sou um santo sem credores 

 Choro sangue mas isso não é uma glória.

Incapaz de testemunhar o nascer do Sol mesmo que ele cumpra o mesmo compromisso todo dia.

Sou esse monte de coisa nenhuma com o mundo nas costas.

Eu morri por você uma vez e isso não aconteceria duas vezes.

Se algum sangue for derramado será o meu,

mas se algum esquecimento for abatido

eu não saberei a cor dos teus olhos e nem o gosto do teu beijo.

                -L’Âge D’or